Para que a Verdade?

Para que a Verdade?

Um dos fatos mais pitorescos de indagação filosófica a respeito da verdade se deu, não numa reunião regular de filósofos, ou numa sala de aula de uma conceituada universidade, nem mesmo num congresso voltado para o tema, mas em um julgamento de exceção. Quando o juiz, mesmo sem prova alguma contra o réu, ouviu deste que a sua razão de estar no mundo era “dar testemunho da verdade”, perguntou-lhe de chofre: “O que é a verdade?”.

O nome do juiz é Pilatos, governador romano da Judeia. O réu em questão é Jesus de Nazaré. O mais interessante de tudo não é necessariamente a pergunta, mas a atitude do governador após tê-la proferido, em não esperar resposta alguma do seu interlocutor. Diz o texto bíblico: “Tendo dito isto, voltou aos judeus e lhes disse: Eu não acho nele crime algum” (Jo 18.37,38).

Bem, Jesus não dissera somente que viera dar testemunho da verdade, mas também acrescentara: “Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz”. E isso foi tudo o que Pilatos não fez.

Ainda hoje, não poucos agem como Pilatos; embora desejem saber sobre a verdade, não param para ouvir a Fonte da própria Verdade (com V maiúsculo mesmo). Desse modo, convém perguntar: Para que queremos a verdade? Se a verdade é necessária para que os pilares morais de uma sociedade sejam firmes e não se rompam; se é essencial para que a paz reine sob o manto da justiça; se é imprescindível para o respeito mútuo preconizado nas leis; sim, então, por que muitos daqueles que deveriam dar exemplo de uma vida pautada pela verdade lhe viram as costas ou passam cinicamente ao seu largo, fazendo-lhe pouco caso?

Para que serve a mentira? Se a mentira tem o poder de solapar os fundamentos morais de uma sociedade, então, por que vivemos com a certeza de que a nossa coexistência social teima em permitir os valores da mentira? Por que vemos não poucas pessoas serem regidas descaradamente sob a égide da mentira e acobertadas pelo seu manto, e isso parece não incomodar a maioria?

Alguém já notou: a mentira passa diante de nós como uma torrente interminável, que vai destruindo os nossos valores morais.

Daniel Webster, em meados do Século XIX, predisse: “Se a verdade não for difundida, a mentira o será. Se Deus e Sua Palavra não forem conhecidos e recebidos, o Diabo e suas obras ganharão a ascendência… a corrupção e as trevas reinarão”.

Em março de 1921, Rui Barbosa escreveu: “De tanto ver triunfar a nulidade; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantar-se o poder nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”.

A honestidade só viceja no terreno fértil da verdade, não no solo pantanoso da mentira.

Pode até parecer alarmista, mas há sobejas evidências de que a sociedade está num rápido descenso moral, e isso, ao fim e ao cabo, tem um preço alto e por demais amargo. As nossas instituições sofrem cada vez mais de descrédito. As nossas esperanças de um país melhor continuam sob o manto do medo de tudo dar errado. O nosso futuro, que nunca chega, parece estar escorregando ladeira abaixo nos rumos obscuros da História.

O perigo está principalmente nos filhos da mentira que esse estado de coisas acaba gerando. O filho primogênito da mentira é o Cético, aquele que duvida de tudo, cuja pauta de vida é a descrença. Ele só crê numa coisa: que não se pode chegar a qualquer conhecimento indubitável nos domínios da verdade geral ou absoluta.

A mentira pariu, então, seu segundo filho: o Cínico. Seucomportamento pode ostentar princípios e/ou praticar atos imorais e obscenidades, pois é um indivíduo sem escrúpulos; é hipócrita, sarcástico e oportunista.

Engravidada da desonra, a mentira pariu seu terceiro filho: o Crédulo. Ele crê facilmente em tudo, sem malícia alguma; é ingênuo, não pesa as coisas nem examina as ideias.

Pilatos era um pouco dos três, por isso lhe foi normal dar as costas à verdade. Preferiu o justicialismo das ruas e o clamor da multidão ávida por “circo”, em vez do império da lei e do testemunho imponente de um inocente.

A verdade tem um único filho: aquele que de algum modo ouve a voz da própria verdade. Quem assim procede, arrisca-se a acreditar em mudanças qualitativas; além disso, leva demasiado a sério as suas obrigações e por elas tem entusiasmo; enfim, acredita na verdade, por ela vive e pode até mesmo morrer por sua causa.

É fácil ser cético e deixar tudo como está para ver como é que fica. É fácil ser cínico e fazer de conta que nada nos afeta ou que podemos tirar vantagem de alguma coisa. É igualmente fácil ser crédulo e ir passando pela vida e não viver.

Difícil mesmo é ser da verdade, é ouvir a voz de Jesus a clamar: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida” (Jo 14.6). Difícil é corresponder à verdade no burburinho da vida cotidiana, fazendo tudo ao seu alcance em prol da mudança para o bem maior que se deseja.

Afinal, para que queremos a verdade?

Samuel Câmara

Pastor da Assembleia de Deus em Belém
E-mail: samuelcamara@boasnovas.tv

ARTIGOS SEMELHANTES

0 21434

0 21142