O Natal é nosso!

O Natal é nosso!

pr_samuelOcasionalmente converso com minha família sobre pessoas que sempre apontam defeito nas festividades natalinas e costumam se referir ao Natal com expressões negativas e radicais: festa pagã, mercantilista, data errada, Jesus não é criancinha de manjedoura, árvore de Natal é ídolo, luzes coloridas é pecado, Papai Noel não existe, e por aí vai… Mas eu gostaria de colocar algumas questões para reflexão: A quem interessa esse tipo de atitude negativa? Por que tanto empenho em se voltar contra este momento tão fraternal que faz as famílias mais unidas e reflexivas, e também faz brotar das pessoas os melhores sentimentos? O que leva alguém a desprezar a celebração do nascimento de Jesus?

De certa forma, não é esquisito alguém celebrar a morte e a ressurreição de Jesus, sem, contudo, dar igual valor ao Seu nascimento, que chamamos carinhosamente de Natal?

Convido você a dar uma olhada no texto de 1Jo 4.2,3: “Nisto reconheceis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus; e todo espírito que não confessa a Jesus não procede de Deus; pelo contrário, este é o espírito do anticristo, a respeito do qual tendes ouvido que vem e, presentemente, já está no mundo.”

Quer queiram ou não os contrários, o Natal é decerto um testemunho público e notório de que Jesus nasceu neste mundo conturbado, ou seja, que veio em carne, para viver uma vida extraordinária e realizar uma eterna salvação para toda a humanidade que crê em Seu nome.

Ainda bem que a maior celebração do Universo é exatamente em torno da pessoa de Jesus, ou seja, o Seu nascimento, o Natal. Não pretendo defender que tudo seja perfeito, que toda a celebração tenha o aval divino, que não haja excessos, ou mesmo desvios. Mas não vamos jogar fora a criança junto com água suja usada para banhá-la. Desconsiderar os benefícios do Natal e todos os bons sentimentos e emoções salutares que o mesmo produz nas pessoas e em toda a sociedade, por causa de pequenas diferenças de interpretação, ou por suposto purismo bíblico, ou pela falta de densidade teológica, é semelhante a matar o boi por causa do carrapato.

Devemos considerar que tudo aquilo que diz respeito a Jesus tem a ver conosco, Seus seguidores, que o amamos e o servimos. Devemos, sim, ser feliz, festejar, aproveitar o ensejo em que todos (incluindo os que dizem não crer em Jesus) falam Nele, cantam, dão presentes, ceiam, vão às igrejas, transformando o Natal, o nascimento de Jesus, na maior e mais feliz celebração do mundo. Não conheço nenhuma outra data que produza tão benéficos efeitos em tantas pessoas e comunidades.

Portanto, não é porque existem questões e diferenças de entendimento sobre aspectos do nascimento de Jesus que vamos deixar de comemorar o Seu Natal. Pior seria se, por causa dessas diferenças, esquecêssemos ou deixássemos de comemorá-la. Certamente, convém observar o que o próprio Jesus afirmou: “Quem não é por mim é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha” (Mt 12.30).

Não deixemos, portanto, que as diferenças em pequenas coisas (que na sua maioria são exatamente isso: pequenas!) nos separem definitivamente da gratidão devida ao Senhor por ter nascido entre nós, ou mesmo de celebrarmos efusivamente tão fenomenal momento. Não deixemos de celebrar o que é certo porque alguns celebram erradamente. Não deixemos de celebrar pelos motivos corretos porque alguns o fazem pelos motivos errados.

Lembro-me que, certa feita, os discípulos levaram a Jesus uma questão sobre terem proibido um homem de pregar e expelir demônios em nome de Jesus, exatamente porque tal homem “diferente” não andava com eles. Parecia justo, soava coerente, visava a defender uma suposta “pureza” de caminho. Mas Jesus lhes disse: “Não proibais; pois quem não é contra vós outros é por vós” (Lc 9.50).

Ora, consideremos o seguinte: Se Jesus é esquecido por alguns, está sendo lembrado por milhões. Nossos exemplos de felicidade e apego a Jesus ajudam a despertar os que o esquecem.

Vamos, pois, aproveitar e celebrar também com todo o nosso vigor, de todo o nosso coração e entendimento. Vamos nos unir aos céus, nos juntar ao coral de anjos, aos pastores, aos sábios, às nossas crianças, às nossas famílias, e assim, fazer ecoar A BOA NOVA DE GRANDE ALEGRIA PARA TODO O POVO: JESUS NASCEU!

E foi só porque Ele nasceu, é que viveu, ensinou, curou, morreu por nossos pecados, ressuscitou, vive para sempre e, em breve, muito em breve, virá para nos arrebatar para o Céu. E então, todos nós, os que cremos em Seu nome, estaremos para sempre com o Senhor.

O Natal é nosso! Abençoada festa do nascimento de Jesus! Feliz Natal!

 

Samuel Câmara

Pastor da Assembleia de Deus em Belém
E-mail: samuelcamara@boasnovas.tv

ARTIGOS SEMELHANTES

0 21394

0 21115