O alto preço da vitória completa

O alto preço da vitória completa


O grande líder Moisés, um pouco antes de morrer, chamou seu auxiliar Josué e avisou-o da sua difícil missão dali para frente, de fazer o povo de Israel conquistar a terra prometida. Não era uma simples apropriação de terra desabitada, era uma campanha militar para a conquista de uma terra habita por povos que foram rejeitados por Deus, cuja promessa o povo recebera do Senhor dos céus e da terra.
Josué era um general poderoso nas batalhas e vitorioso. Moisés era profeta e o líder máximo do povo de Israel. Era de se esperar que Moisés lhe ditasse quais seriam os planos e definisse estratégias militares necessárias à conquista que se avizinhava. Porém, as palavras que lhe disse foram: “Sê forte e corajoso; não temas, nem te espantes, porque o Senhor Deus é contigo por onde quer que andares” (Js 1.9).
Isto porque Moisés sabia que Josué era um homem determinado a seguir o Senhor com todo o seu coração e força. Para cumprir sua missão, ele ousou ser diferente. Por causa do ideal de servir apenas ao Senhor e depender somente Dele, não quis ficar com a maioria, mas manteve a fé a despeito das aparentes impossibilidades e determinou-se a servir a Deus e ao próximo. Não foi fácil, porém, guiar uma multidão cheia de rebeldia, enfrentando problemas de toda espécie no deserto.
Não sei o motivo pelo qual Deus escolheu Josué como líder, mas inegavelmente o coração de Josué estava com Deus, era por inteiro Dele. Isso fazia a grande diferença! Em seu espírito ele já era um vencedor, pois vivia na dependência de Deus.
Haveria ainda um Josué no mundo hoje? Aquele que impulsionaria a família, a igreja de Deus e a sociedade, em marcha para frequentes conquistas? Haveria alguém que quisesse “pagar o preço”?
Diz-se popularmente de que tudo na vida tem um preço. Quando falamos a palavra “preço”, já está implícita a ideia de pagamento pelo que queremos obter, qualquer que seja a pretensão. Todavia, não trato de preço no aspecto comercial do termo, nem tampouco do que normalmente se atribui ao homem moderno, como se o seu preço valesse na proporção da sua conta bancária. O preço a que me refiro é sublime e inegociável, mas altamente recompensável, e refere-se àquilo que temos necessariamente de suportar pelas vitórias almejadas na vida.
Não sei de suas metas e nem conheço os seus sonhos, mas sei de alguém que pode ajudar você a alcançá-los. Entre o início e o fim de cada vitória, em cujo caminho você certamente passará por situações difíceis, apertadas ou dolorosas, Jesus estará ao seu lado, para lhe fazer saber o quanto será importante todo o bem que Deus irá lhe dar.
Todos querem ter êxito em seus planos, seja no aspecto pessoal, familiar ou profissional, mas poucos querem gastar seu tempo no que realmente conta, principalmente no que diz respeito às ações de natureza espiritual, em oração e jejum, na dependência de Deus, para que a vida seja densa de sentido.
Se quisermos mais de Deus para conquistamos terrenos nunca antes pisados, teremos de ter determinação e esforço, mas precisamos da ajuda Dele. É assim que somos ensinados pela Bíblia: “Atendei, agora, vós que dizeis: Hoje ou amanhã, iremos para a cidade tal, e lá passaremos um ano, e negociaremos, e teremos lucros. Vós não sabeis o que sucederá amanhã. Que é a vossa vida? Sois, apenas, como neblina que aparece por instante e logo se dissipa. Em vez disso, devíeis dizer: Se o Senhor quiser, não só viveremos, como também faremos isto ou aquilo” (Tg 4.13-16).
Isto ensina que a vida de vitória não pode ignorar a importância da Palavra de Deus na sua vida e nas lutas que a mesma encerra.
Charles Spurgeon disse: “Se aprendermos bem nossas lições da Palavra de Deus, e prestarmos obediência, não seremos vencidos pelas tempestades e provas, tentações e perseguições que hão de vir, mas sim ficaremos inabaláveis e sem medo, porque estamos edificados sobre Jesus, a Rocha Eterna. Construímos sobre Cristo, obedecendo à Sua palavra. Se não obedecermos à Palavra de Deus, mas vivermos para nos agradar a nós mesmos e a Satanás, não resistiremos às tempestades da vida, assim como não resistiu a casa construída sobre a areia. O próprio eu interior é como a areia movediça. O lampião não fala, mas brilha. Um farol não toca trombeta, não bate o tambor, mas por cima das águas o marinheiro enxerga seus raios amigos. Assim, mostrem seus atos, por seu brilho, a religião que vocês têm. Seja o sermão de sua vida ilustrado por sua conduta”.
Assim, almejando a sua vitória completa na vida, tenha em mente o que Moisés, assim como Josué e muitos outros servos de Deus sabiam e criam: é o Senhor que nos guarda de todo mal, é Ele que guarda a nossa alma das intempéries e perigos do caminho. É o Senhor Jesus quem guarda a nossa saída de qualquer lugar ou situação, mas também é Ele quem guarda a nossa entrada em novas lugares para novas conquistas, e isso desde sempre, tal como preconiza o Salmo 121.
Toda a glória seja dada somente a Ele por nos conceder a graça para obtermos a vitória completa.

Samuel Câmara
Pastor da Assembleia de Deus em Belém
E-mail: samuelcamara@boasnovas.tv

 
Samuel Câmara
Pastor da Assembleia de Deus em Belém

Samuel Câmara

Pastor da Assembleia de Deus em Belém

E-mail: samuelcamara@boasnovas.tv

ARTIGOS SEMELHANTES