Cuidado com o efeito bumerangue!

Cuidado com o efeito bumerangue!


Um homem que gostava muito de criticar os outros chegou um dia à oficina de um ferreiro, criticando as fraquezas de diversas pessoas conhecidas de ambos.
O ferreiro, que era um cristão correto e fiel, escutou-o sem dizer palavra. Quando, por fim, o homem calou-se um momento, perguntou-lhe o ferreiro: “Você já leu alguma vez a Bíblia?”
“Certamente, sim” – respondeu o homem.
“Então, também leu a parábola do homem rico e Lázaro?”
“Naturalmente” – respondeu de novo.
“Então, deve lembrar-se dos cachorros da parábola?”
“Certamente, sim; mas o que isso tem a ver?”
“Os cachorros não fizeram outra coisa senão lamber as chagas do pobre Lázaro; e parece-me que você está fazendo a mesma coisa, porque só está procurando lembrar das fraquezas dos outros, sem olhar para as suas próprias debilidades.”
O crítico contumaz calou-se, retirando-se envergonhado.
Fazer julgamentos precipitados e injustos sobre outros é como o efeito bumerangue. Originário da Austrália, o bumerangue, quando eficientemente lançado, sempre volta para quem o lançou.
O efeito bumerangue existe por causa da Lei da Equivalência preconizada por Jesus, que disse: “Com o critério com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido, vos medirão também” (Mt 7.2).
Quando alguém profere julgamento de modo precipitado e injusto, não somente está pecando contra o próximo e contra Deus, mas também se habilitando a receber de volta o mesmo tipo de tratamento. Foi o que Paulo também ensinou: “Pois aquele que faz injustiça receberá em troco a injustiça feita; e nisto não há acepção de pessoas” (Cl 3.25).
Lembro-me do caso do padeiro de uma pequena cidade, que comprava sua manteiga de um fazendeiro local. Um dia, ele pesou a manteiga e descobriu que o fazendeiro estava diminuindo a quantidade nos pacotes, mas continuava cobrando o mesmo de antes. Então o padeiro o acusou de fraude.
Na corte, o juiz perguntou ao fazendeiro: “Você tem aqueles pesos para balança de dois pratos?”
“Não senhor” – respondeu o fazendeiro. “Então, como o senhor consegue pesar a manteiga que vende?”
O fazendeiro respondeu: “Quando o padeiro começou a comprar manteiga de mim, achei melhor comprar o seu pão. Tenho usado seu pão de 500 gramas para servir como peso padrão para a manteiga que vendo. Se o peso da manteiga está errado, ele deve culpar a si mesmo”.
Bingo! Bumerangue nele! Esse padeiro bem que poderia pertencer à seita fariseus do tempo de Jesus, que eram especialistas nesse tipo de comportamento judicialista tacanho. Ao tentarem se elevar a si mesmos, por causa de seu orgulho e vaidade, procuravam caluniar e difamar o caráter das pessoas que lhes fossem desafetas, destruindo-as.
Jesus confrontou duramente os fariseus por causa desse procedimento, chamando-os de catadores de ciscos: “Por que vês tu o cisco no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o cisco do teu olho, quando tens a trave no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho e, então, verás claramente para tirar o cisco do olho de teu irmão”.
Uma charge com esse roteiro seria muito engraçada. Já pensou em alguém com uma trave no olho querendo tirar o cisco de outra pessoa? Isso mostra que Jesus possuía um apurado senso de humor, mas, mesmo assim, não negociava o valor dos princípios espirituais.
Assim como as leis físicas, os princípios espirituais são leis que, uma vez desobedecidas, cobrarão o seu justo preço. O que aconteceria com alguém que subisse ao décimo andar de um prédio e, pretextando desprezar a lei da gravidade, ou julgando-a inexistente, se lançasse lá de cima? A resposta é óbvia. Por isso, pense no que pode acontecer com alguém que ousa desafiar as leis espirituais de Deus.
A crítica injusta, principalmente pelas costas, é utilizada sistematicamente por todos os “profetinhas com traves nos olhos” que andam na contramão da lei da equivalência, os contumazes “catadores de ciscos”. O apóstolo Paulo chama essas pessoas de “difamadores” e “caluniadores”, incluindo-os na mesma lista dos soberbos, homicidas, inventores de males, desobedientes aos pais, pérfidos, sem afeição natural e sem misericórdia (Rm 1.28-32).
Os difamadores são os mexeriqueiros, aqueles que espalham rumores secretamente. Os caluniadores são os que falam maliciosamente a respeito de uma pessoa. Há “cristãos” que jamais passariam com o carro por cima de ninguém, mas, imbuídos de um falso senso de justiça, “atropelam” prazerosamente as pessoas com suas palavras maliciosas e cheias de veneno.
O primeiro passo para vencermos essa animalidade do caráter é utilizar o antídoto contra isso, ou seja, o amor com que devemos nos amar. Jesus estabeleceu a marca que identificaria os seus discípulos: “Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros” (Jo 13.35).
Paulo disse: “O amor seja sem hipocrisia”. Ou seja: Não finja amar, pois o amor não pode ser fingido. Pedro também falou: “Tendo em vista o amor fraternal não fingido, amai-vos, de coração, uns aos outros ardentemente” (Rm 12.9; 1 Pe 1.22).
Precisamos nos arrepender da maledicência e substituí-la pelas afirmações das boas palavras que só o amor pode gerar. E, se alguém tiver de “falar mal” de outro, faça-o somente a Deus em oração.
Paulo ensina que ao desenvolvermos nossa salvação com temor e tremor, descobrimos que “Deus é quem efetua em nossa vida tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade”, não o acaso. Esse é o segundo passo para não nos deixarmos levar pelo desejo intrínseco de murmurar e contender, debilidades essas que estão na raiz de toda maledicência. Em fazendo isso, não somente nos eximimos do efeito bumerangue, mas também somos reconhecidos como filhos de Deus irrepreensíveis e sinceros, inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, e resplandecendo como luzeiros no mundo (Fp 2.13-15).
Quanto ao mais, “não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará” (Gl 6.7).
Cuidado com o seu “bumerangue” e guarde bem a sua cabeça. E que Deus nos abençoe.

Samuel Câmara
Pastor da Assembleia de Deus em Belém
E-mail: samuelcamara@boasnovas.tv

 
Samuel Câmara
Pastor da Assembleia de Deus em Belém

Samuel Câmara

Pastor da Assembleia de Deus em Belém

E-mail: samuelcamara@boasnovas.tv

ARTIGOS SEMELHANTES

0 19453

0 19415