Authors Postado por Cesar Jacottet

Cesar Jacottet

4131 POSTS 4 COMENTÁRIOS

pr_samuel

O historiador Will Durant escreveu onze volumes intitulados “A História da Civilização”, uma monumental obra que retrata as pessoas que mais se destacaram no mundo, entre os quais filósofos, líderes, heróis militares, artistas, cientistas e exploradores. Durant passou a vida inteira estudando história e, relativamente falando, manteve-se na companhia dos homens e mulheres mais influentes de todos os tempos. É isso que torna a sua avaliação das pessoas famosas inteiramente digna de respeito. E na opinião de Will Durant, Jesus de Nazaré está acima de todos, pois iluminou a vida, mudou a história e influenciou multidões de pessoas como nenhum outro.
Falando a respeito de Jesus, o evangelista João afirmou: “A vida estava nele e a vida era a luz dos homens. A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela”. Jesus era “a verdadeira luz, que, vinda ao mundo, ilumina a todo homem” (Jo 1.4-9). E Mateus corrobora: “O povo que jazia em trevas viu grande luz, e aos que viviam na região e sombra da morte resplandeceu-lhes a luz” (Mt 4.16).
O próprio Jesus disse a Seu respeito: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida” (Jo 8.12). Mas Ele também afirmou a respeito daqueles que o seguiam: “Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte; nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa” (Mt 5.14,15).
O apóstolo Paulo, corroborando as palavras de Jesus, disse que os discípulos de Jesus deveriam resplandecer “como luzeiros no mundo” (Fp 2.15). Ou seja: cada discípulo de Jesus deveria refletir a luz de Jesus no mundo onde vive, iluminando-o e influenciando-o com o seu comportamento santificado e cheio da graça de Deus. Porque o mundo está em trevas e precisa desesperadamente da verdadeira luz que é Cristo. 
Sabemos que a maioria das cidades do mundo nasceu literalmente imersa na escuridão. Depois que o sol se punha, suas ruas ficavam escuras, pedestres noturnos tinham de andar com cuidado para evitar pedras e buracos. Foi assim também nos dias de Benjamin Franklin nas ruas da Filadélfia, o qual decidiu dar um bom exemplo aos seus concidadãos colocando uma lanterna do lado de fora de sua casa. Ao transitarem pela rua à noite entre tropeções e quedas, as pessoas que chegavam a esse “oásis de luz” logo percebiam a bênção que ele era. Outros moradores logo começaram a colocar suas próprias lanternas. Assim, depois do pôr do sol, toda a aldeia se transformava num lugar iluminado e seguro.
Somos lembrados continuamente de que vivemos num mundo espiritualmente imerso em trevas, tanto por nossas próprias tendências pecaminosas, como pelos noticiosos recheados de todo tipo de crime e desajuste social, e também por uma sociedade cada vez mais permissiva e acostumada com a imoralidade sem freios. É fácil perceber que vivemos “no meio de uma geração pervertida e corrupta”.
Foi exatamente para combater esse cenário de trevas espirituais e escuridão moral que os discípulos de Cristo foram instruídos a serem “luzeiros no mundo”. Embora sabedores de que nossa conduta na maioria das vezes reflete apenas uma imagem vaga e distorcida de Jesus, e que sozinhos não podemos afastar toda a escuridão, não podemos esquecer o quão significativo será se cada um fizer a sua parte.
Há várias maneiras de reagir à escuridão espiritual. Alguns cristãos preferem se encastelar e viver uma espécie de clausura moral. Embora procurem viver corretamente, nada mais fazem; vivem apenas como “agentes secretos de Deus”, pois só Deus sabe onde estão.
Há também quem prefira murmuração e contendas, vendo só o cisco nos olhos dos outros e não a trave em seus próprios olhos (Lc 6.42). Mas somos alertados: “Fazei tudo sem murmuração nem contendas, para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiros no mundo” (Fp 2.15,16).
Para não sermos “luzeiros no mundo”, basta vivermos em murmuração e contendas. Paulo não mencionou nada mais escandaloso que isso. Não obstante alguns cristãos cometerem pecados relativamente “maiores”, certamente todos nós já praticamos pecados “menores”: presunção, orgulho e egoísmo, os quais culminam em murmurações e contendas. E são esses pecados “menores” que mais prejudicam o nosso testemunho do Evangelho de Cristo.
Cada cristão tem uma terceira e melhor opção: deixar que sua vida redimida e iluminada por Cristo sirva de luzeiro no mundo a refletir a luz do Evangelho para iluminar outras vidas. Exatamente como Jesus ensinou: “Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus” (Mt 5.16).
O mundo ao nosso redor é escuro devido à ignorância espiritual. Há milhares de pessoas cuja existência sem objetivo as conduz a um desespero silencioso que as faz tropeçarem na vida.
Assim, em vez de nos omitirmos, ou de murmurarmos e contendermos, cada um pode fazer a melhor parte: como luzeiros no mundo, devemos refletir a luz de Cristo nos caminhos dos que vivem em escuridão espiritual.

Samuel Câmara

Pastor da Assembleia de Deus em Belém

E-mail: samuelcamara@boasnovas.tv

SIGA BOAS NOVAS

1,081,436FãsCuritr
48,147SeguidoresSeguir
10,336InscritosInscrever-se

ÚLTIMOS POSTS

FIQUE CONECTADO